Assim como no “Outubro Rosa”, mês de conscientização das mulheres sobre a importância do diagnóstico precoce e da prevenção do câncer de mama e de colo de útero, em novembro, acontece o “Novembro Azul”. A ação visa desmistificar os exames preventivos de câncer de próstata e mostrar aos homens como isso é importante.

Segundo o coordenador médico do Departamento de Uro-Oncologia do Hospital de Câncer de Barretos, Roberto Dias Machado, o câncer de próstata é o mais comum câncer do tipo sólido entre os homens. As chances de ele aparecer são maiores conforme a idade vai avançando.

“A incidência da doença é bem alta, estudos mostram que de cada seis homens, um terá desenvolvido o câncer de próstata. Porém. As chances de ele ser agressivo é pequena, de apenas 3%”, explica.

Prevenção
Os homens com mais de 50 anos devem fazer os exames preventivos pelo menos uma vez por ano. A forma de prevenção mais conhecida e mais eficaz ainda é o procedimento de toque retal. No entanto, o médico garante que o tabu e o preconceito com esse tipo de exame têm diminuído.

“Quando fazemos o diagnóstico da doença precocemente as chances de cura são altíssimas. Já tive casos em que eu sugeri o exame ao paciente e ele saiu do consultório se sentindo ofendido. Mas isso está mudando, os homens e as mulheres estão tendo mais consciência sobre o problema.

A próstata
A próstata é um órgão situado entre as bexiga e o região pélvica, atravessada pela parte inicial da uretra – canal por onde passa a urina – e produz parte do líquido que forma o esperma.

Diagnóstico
A doença pode ser diagnóstica por uma alteração no PSA, uma proteína da próstata. Se essa dosagem tiver acima do nível ideal pode indicar um problema na próstata, não necessariamente um tumor, pode ser também uma infecção urinária, infecção de próstata, ou um inchaço espontâneo do órgão.

Para ter mais segurança quanto ao diagnóstico, o médico também faz o uso do toque retal. De acordo com Machado, com esse exame, é possível verificar se tem alguma lesão e até tumores intestinais. “Temos que ver se tem alguma irregularidade na região”, afirma.

O câncer de próstata
Esse tipo de câncer é dividido em três grupos. O primeiro é o do tipo agressivo e que precisam de um tratamento mais radical. O segundo é o intermediário, em que se avalia o caso e o tipo de tratamento, e o último que, segundo o médico, é o mais comum entre os pacientes é o de baixo risco.

“Em alguns casos é possível apenas acompanhar o tumor, não necessariamente se o paciente foi diagnosticado com a doença, significa que ele vá começar com a quimioterapia no dia seguinte. Tem que saber em que grupo ele se enquadra e como será o tratamento.”

De acordo com o coordenador do departamento, os tipos de tratamento mais comuns são os curativos em geral, que são as cirurgias, e os de bloqueio hormonal, feitos com radioterapia.

 

Fonte: Hospital do Câncer de Barretos